Feliz dia dela

9 de março de 2017 , In: Vida, universo e tudo mais , With: No Comments
0

Eu nasci e fui criada por ela, a mulher mais incrível e forte que eu conheço. E ela me disse como o mundo é cruel, que eu precisava estudar muito e trabalhar mais ainda para ser uma mulher independente. Que ninguém podia me parar. Que ninguém podia dizer que eu não podia. E foi o que eu fiz.

Estudei e sempre fui uma das melhores alunas da escola. Na faculdade entrei para o curso que quis e descobri que eu era uma das únicas mulheres. Eu via o orgulho nos olhos dela, especialmente quando, depois de 4 anos, eu me formei sozinha. Sim, aparentemente Sistemas de Informação com ênfase em Redes e Teleprocessamento de dados era bem assustador. Não pra mim.

Ainda durante o curso, comecei a trabalhar na área. De novo, uma das únicas programadoras da empresa. E foi nesse primeiro emprego que comecei a viver a desigualdade de cargos, salários e oportunidades. E então eu continuava a me reinventar. A sonhar. E a ouvir dela, em meio a sorrisos orgulhosos, que tudo o que eu sonhei, consegui realizar.

Anos depois, engravidei. Entrei em pânico, nunca tinha sonhado com isso e não sabia o que fazer. E ela esteve ao meu lado junto com todas as minhas pessoas importantes. E nos longos meses de repouso absoluto e medo de perder o bebê, algo acordou em mim. Claro que eu ia conseguir ser mãe, eu aprendi tudo com a melhor. Da mesma forma que escolhi ser tantas mulheres diferentes durante os anos que se passaram, dessa vez eu escolhi ser mãe. E precisava viver isso completamente. Foi aí que pausei minha vida profissional e vi o medo nos olhos dela. Na hora ela não percebeu que a criação dela junto com o meu pai foi tão incrível que eu não estava abaixando minha cabeça e desistindo de mim. Eu escolhi.

A força continua comigo (por mais nerd que essa frase possa parecer, é verdade). Tenho um marido feminista, que sabe e me mostra sempre que mulheres e homens são iguais. Me segura quando estou caindo e me lembra que eu posso ser e fazer o que eu quiser. Feminismo é poder escolher.

A vida se repete e hoje falei pra Sofia que ela pode ser quem ela quiser. Ela sorriu e me disse: “mamãe, eu quero ser um bombeiro”. Sim, você pode ser bombeiro, bailarina, astronauta e o que mais quiser 💜

Beijo da nerd.

There are no comments yet. Be the first to comment.

Leave a Comment

nerdsinlove

sobre a vida, o universo e tudo mais

Eu sou a mahrcinha, mãe e nerd em tempo integral. Esse blog foi criado em 2008 e de lá pra cá ele passou por muitas mudanças, assim como a minha vida. Por isso aqui compartilho um pouco de tudo :)

siga no instagram